Sobre a Marcha das Vadias

Bom, nem consegui pensar em um título mais pra esse post e pra esse assunto pertinente. Talvez seja melhor o título pobre pra poder pontuar sub-liminarmente, como falta a comunicação mais direta na sociedade.


Nesse último fim de semana está acontecendo a Marcha das Vadias em várias capitais brasileiras, onde o principal objetivo é o fim da recriminalização e discriminalização da sexualidade. Num ato feminista e louvável, elas procuram deixar bem claro que "não é porque uso saia que sou puta", popularmente falando, e gritando contra a violência cotidianamente sofrida por tantas mulheres nesse país afora. É o que esse cartaz aponta.

Como disse no parágrafo anterior, é louvável essa manifestação em vários pontos e sempre fui aberto a ideia da democracia de os nichos da sociedade poderem se manifestar livremente, procurando abater a própria imagem que a sociedade o estereotipa. Mas é nesse ponto que quero chegar.

Não vou ser machista, mas vou tentar expor meu ponto de vista como homem. 

O fato de as mulheres protestarem conta isso alertando a sociedade sobre a violência que lhes é feita todos os dias, seja moralmente, seja com ameaças diversas como estupro por exemplo, é digna. Claro, nem toda mulher que usa saia, meia-arrastão e etc será puta, óbvio que não. 

Popularmente "homem é tudo igual", e eu sei que é "popularmente"; tento ser diferente dessa laia, mas nem por isso saio por aí protestando contra isso. Então creio que essa violência que lhes é feita, é uma consequência do que elas (as mulheres) mesmas fizeram ao longo de séculos e milênios, é algo consequente da sociedade em que vivemos que nem todas as vadias são "respeitáveis". É fato consumado. Como nem todo médico é ruim, nem todo dentista que deixar você banguela, como nem todo ladrão rouba por prazer... Tudo depende.

Quantas vezes sai a noite por aí e não vi mulheres usando essas mesmas roupas apertadas que as mesmas mulheres libertárias quem usar, se comportarem como as mais perfeitas vadias dando a qualquer cara com um braço definido que aparecia em frente a ela? Agindo como as mais perfeitas galinhas ciscando e bicando seu milho? É ficar entre o limiar de vulgar, fazer charme, e num xaveco levantar a saia na esquina escura mais próxima. Basicamente nenhum homem obriga nenhuma das mulheres a ser vulgar, a decisão é realmente de cada uma. O problema é a escolha e poucas pessoas sabem medir o impacto disso. 

Mulher quer se sentir desejada, quer se sentir amada todos os dias. O direito de ela usar seu corpo como bem entender é algo implícito e respeitável, é atitude - até por isso acho as putas que batem ponto mais dignas que muita mulher por aí. Mas creio que as pessoas, todos, deveriam se preocuparem mais consigo mesmos. O julgamento está por aí pra quem quiser ver, e por mais digno que seja, sair com os seus peitos pra fora pensando que sua imagem mudará e estúpido. Nem o cara da banca de jornal irá entender. É como dizer que "dá pra todo mundo, mas não pra qualquer um.", como o cartaz diz.

É pertinente e enraivece o fato de outras pessoas fazerem imagens de nós mesmos. Assim como a "canalhice" do homem em geral. Ela não se aplica a mim, mas se aplica a tantos outros que nem discordo disso. Portanto, o que irei fazer contra a isso? Reunir cinco milhões de homens tristes como eu por sermos julgados assim não adianta absolutamente nada. É uma piada tão grande quem nem consigo medir.

Mulher, você dona-de-casa, trabalhadora, mãe, vadia... Saia de meia-arrastão, saia apertada, só de calcinha e de peito pra fora, como quiser. O que vale é a sua atitude, não a de protestar, mas a de cuidar da sua vida sabendo onde seu "lugar fica". "Ser livre é ser vadia"?. Sim, concordo por esse ponto de vista que elas colocam. Mas a liberdade, como as palavras, são cada vez algo mais deturpado na sociedade, justamente por as pessoas não saberem o que fazer com ela. Por isso a fama de "vadia" perdura durante milênios (sem ser hipérbole). Liberdade é digna, ser vadia não. Esqueceram de como essa palavra é pejorativa? Desde quando ser vadia te faz alguém mais livre? Quero alguém com moral, e não que se ache moralista por ser uma "vadia".

Quem está te vendo, irá te julgar de alguma forma, o problema de tudo é a escolha. Vale a escolha de como se relacionar com o mundo lá fora com dignidade, e muitas das mulheres não sabem fazer isso; metade da humanidade. O que falta é se canalizar essa atitude da forma correta, algo que vale pra 80% dos protestos nesse país. 

Você mulher se valorize, isso vale mais que qualquer protesto e liberdade que você venha a ter. Valorize-se atrávés das suas decisões e com o trato para com quem se relacionar contigo. Você, futura mãe ou avó.

Tirinhas da Semana #85

A vida nada mais é que nascer, crescer, abrir perfis em redes sociais, apoiar o queixo na mão esquerda, reclamar e morrer.

Resenha Filme: O Guia Do Mochileiro das Galáxias

Comemorando o Dia do Orgulho Nerd que foi ontem, resolvi pegar minha toalha e analisar o filme que ao lado do Star Wars, é o expoente maior do mundo nerd e o motivo de "O Dia da Toalha" existir

O tal Douglas Noël Adams entre sua comédia, foi famoso por ter escrito esquetes para a série televisiva Monty Python's Flying Circus junto com os integrantes do grupo de humor inglês non-sense. E esse humor amado por mim e por tantos outros, é uma das marcas de livros da sua "trilogia que são quatro e por acaso há um quinto" terem sido um sucesso estrondoso no mundo, junto com críticas ácidas sociais, e como ateu convicto que ele era, sobre religião.

"O Guia do Mochileiro das Galáxias" já foi praticamente tudo. Nasceu como uma série de rádio, foi para os teatros, foi uma minissérie de televisão transmitida pela BBC de Londres nos anos 70, e jogo de computador. Só os livros foram traduzidos para mais de 20 idiomas, tendo vendido algo em torno de 20 milhões de exemplares em todo o mundo. Então em 2005, 27 anos depois de sua primeira aparição, a obra do comediante e escritor britânico Douglas Adams finalmente ganha as telas do cinema. Apesar de ter sido roteirizado por ele, infelizmente não pode ver sua conclusão. Em 2001 Adams morreu aos 41 anos de vítima de ataque cardíaco.

Sobre o filme

Aqui acompanhamos as aventuras de Arthur Dent (Martin Freeman) um pacato e azarado cidadão inglês, Ford Prefect (Mos Def) um extraterrestre disfarçado de ator decadente, Zaphod Beeblebrox (Sam Rockwell) presidente fanfarrão da galáxia, Trillian/Tricia Macmillan (Zooey Deschanel) paquera dele em uma festa, e Marvin (interpretado por um anão e com voz de Alan Rickman - o Snape de Harry Potter) um andróide maníaco-depressivo que tem um QI aproximadamente 30 bilhões de vezes mais inteligente que um colchão. Juntos, eles precisam escapar dos Vogons, seres extremamente burocráticos e donos de uma poesia mortal para encontrar a Arma do Ponto de Vista e descobrir por que a resposta para a vida, o universo e tudo o mais é 42.

Claro que sempre consultando O Guia do Mochileiro das Galáxias, o "repositório padrão de todo o conhecimento e sabedoria". Quando o livro entra em cena, temos animações engraçadas e narradas muito bem por José Wilker. Algo sagazmente preservado na versão legendada do filme.

Todos no filme estão bem (especialmente a docinho de coco Zoey Deschanel), e o humor non-sense foi bem transportado dos livros para a tela. mas dois personagens roubaram a cena pra mim. Um é o azarado inglês Arthur Dent e o outro é o andróide cabeçudo Marvin. 

Robôs, extraterrestres e crítica

Junto com o fato de os Vogons serem seres extremamente burocráticos, e a todo o momento o filme brincar com o fato de querermos respostas pra tudo sem ao menos saber a pergunta, exemplo é a parte do sentido da vida ser 42. Os dois personagens que citei destacam críticas e referências ácidas a humanidade e suas manias irritantes. A obra é perfeita para os que adoram rir da própria cara, a comédia inglesa é isso.

Um é Marvin, cujo desprezo pela vida só não se compara à sua depressão crônica e ao tamanho de sua inteligência. Feito para ter sentimentos humanos, Marvin sofre de uma gigantesca depressão, principalmente pelo fato de que possui "o cérebro do tamanho de um planeta", mas preferem usar sua capacidade para abrir portas ou agarrar algum papel caído no chão. Isso sinceramente causaria depressão a mim também. Ele com sua cara fofa e tristonha já causa boas risadas (o que aumentaria sua depressão), e seus comentários e participações são as partes mais engraçadas do filme.

Já Dent é um inglês amante de chá e dono de um azar incomum. Arthur tem sua casa destruída para a construção de um desvio no mesmo dia em que seu melhor amigo, Ford Prefect, um extraterrestre disfarçado, revela-lhe que a Terra está prestes a ser destruída para a construção de uma via intergaláctica.  Ironia não? Os direitos são sempre esmagados pelo progresso.

Mas nem tudo são novelos de lã

O filme apesar de engraçado não prende tanto como eu esperava, entretanto isso soa mais como impressão.

Problemas como o final do filme em que se deixa uma clara abertura citando o título de um dos livros, é por demais cortado e mal explicado. E o namorico incluído especialmente para o filme de Trillian e Arthur, tendo uma liçãozinha de moral pra depois acabar tudo bem, poderia ser descartada facilmente. Entretanto queira nós ou não, o cinema precisa de certos padrões.

Apesar de nunca ser o filme mais assistido da galáxia...

O Guia do Mochileiro das Galáxias no cinema cumpre bem o papel de ajudar a leigos terem um primeiro contato com a obra de Douglas Adams. Seu universo extremamente rico, e sua capacidade ímpar em unir humor, crítica e filosofia - o que revela fortemente seu lado "Monty Pyhton" - fazem jus a toda essa reverência a suas obras, e isso é um atrativo e tanto para se comprar os cinco livros da série e se deliciar com a aventura desses terráqueos e extraterrestres malucos. Resta agora eu fazer isso!

Um dos atrativos é saber da sua teoria genial e absurda sobre os golfinhos, em que eles há muito sabiam da iminente destruição do planeta Terra e tentaram alertar a humanidade para o perigo; mas a maior parte de suas comunicações foi mal-interpretada. A derradeira mensagem dos golfinhos foi entendida como uma tentativa extraordinariamente sofisticada de dar uma cambalhota dupla para trás assobiando o hino nacional dos Estados Unidos, mas na verdade o significado da mensagem era: 

"Adeus, e obrigado por todos os peixes."

E aqui me despeço.

Máximas da Série
  • Não entre em pânico.
  • "Tudo o que você precisará quando o universo acabar é de uma toalha"
  • "Toda resistência é inútil"
  • "Há uma teoria que indica que sempre que qualquer um descobrir exatamente o que, para que e porque o universo está aqui, o mesmo desaparecerá e será substituído imediatamente por algo ainda mais bizarro e inexplicável… Há uma outra teoria que indica que isto já aconteceu."
  • "A Enciclopédia Galáctica define o amor como algo incrivelmente complicado de se explicar.
  • Uma toalha é o objeto de maior utilidade que um mochileiro interestelar pode possuir. Uma toalha molhada é uma ótima arma no combate corpo-a-corpo.

As melhores cantadas nerds

Em comemoração ao Dia Do Orgulho Nerd e aproveitando que daqui a alguns minutos será sábado, um guia amoroso pra você colocar sua boina do Mario e sair por aí procurando sua Peach. =)


A do Jigglypuff realmente funciona.

R2D2 e seu discurso

O Dia do Orgulho Nerd, ou Dia do Orgulho Geek, é uma iniciativa para promover a cultura nerd/geek, comemorado em todo 25 de maio. A data foi escolhida para comemorar a estreia do primeiro filme da série Star Wars, logo depois rebatizado como "Episódio IV: Uma Nova Esperança", em 25 de maio de 1977. Além de ser o Dia da Toalha, para os fãs da "trilogia" O Guia do Mochileiro das Galáxias, em homenagem ao seu escritor Douglas Adams.

Então para comemorar, primeiro vamos homenagear Star Wars. Vamos assistir as grandes palavras de um robô icônico de nossas vidas. 

Inspirador!

Resenha Cinema: The Avengers - Os Vingadores 3D

Antes de tudo, leia as resenhas do filme aqui e aqui.

Você deve estar se perguntando, outra resenha? Não, volte ao início e clique no link no começo do texto, ai sim você vai entender que essa resenha só se trata das minhas impressões do filme em 3D, logo sendo um "anexo". 

Sim, Os Vingadores é um sucesso histórico de crítica e de bilheteria, já ultrapassando com folga a marca de 1 bilhão de dólares (dedinho na boca) e ainda com bastante fôlego para ser a maior bilheteria da história. Apesar de questionamentos que chatos possam fazer sobre o filme poder ser melhor, Joss Whedon inquestionavelmente para 99% das pessoas, deu uma aula de como fazer filme de super-heróis aqui - coisa que Christopher Nolan com seu Batman conseguiu também fazer.

Essa segunda vez que fui assistir Os Vingadores - onde vi que as piadas e a ação funcionam duas vezes do mesmo modo maravilhoso -, foi a primeira que encarei em 3D, Sim caro amigo, em toda minha vida. Foi a minha estreia com os "óclinhos negros" que me transformam em nerd completo segundo minha amiga. Inicialmente confesso que o plano não era esse, mas como as sessões pra outro filme que queríamos assistir eram muito tardes para ela, assim resolvemos ver Os Vingadores de novo. Como sou bonzinho não?! 

Não vou ter muito o que falar a mais sobre o filme em si aqui, mas vamos lá. Vou ser objetivo.

Sobre o dito cujo, o 3D...

Sinceramente nunca vi necessidade desse formato além de ser por pura diversão descompromissada. O fato de as conversões serem muito mal feitas e as críticas rolarem soltas por aí falando disso, sempre me desinteressaram. Além de ser alguém tradicionalista e "quadrado" em ignorar a tecnologia quase que completamente. 

Podem me chamar de traidor do movimento, mas poder ver o mesmo filme com o preço "normal", sempre foi mais atraente pra mim. O dinheiro sobra pra pipoca - pena que a mesma acaba nos trailers. 

Impressões

Ao contrário de Avatar que foi filmado totalmente 3D, Os Vingadores foi filmado e convertido para esse formato. Porém ao contrário do que poderia pensar, esse mesmo não decepciona. Em muitas cenas o 3D é facilmente percebido e confortável em várias outras. Há cenas que sinceramente tirei o óculos e pude ver com uma certa nitidez, mas elas são muito curtas, então é fundamental o óculos para poder assistir todo o filme; o que é excelente.

Bom, o filme precisa ser muito bom mesmo para assistir duas vezes e encarar o 3D, como acidentalmente foi no caso dos Vingadores que contei parágrafos atrás. E se o 3D não decepciona e nem empolga, o filme compensa sendo um dos melhores da história nerd. 

Sendo assim, se vale a pena ir ver em 3D? Sim vale.