Resenha CD: Jane's Addiction - The Great Escape Artist


O Jane's Addiction no meio de muitos fins está de volta, eles que são uma das bandas mais carismáticas do rock alternativo de hoje em dia, tanto pelo vocalista inconfundível Perry Farrell, como pelo talento ímpar do (talvez subestimado) Dave Navarro. O hiato foi de 8 anos sem trabalhos inéditos - o último foi o excelente "Strays" de 2003 -, mas a banda se reuniu mais uma vez em 2008. E só agora lança um novo trabalho, o esperado "The Great Escape Artist".

Começamos aqui com a faixa "Underground" logo vindo com um riff pesado, som sujo, ótima faixa. Assim como a seguinte "End Of The Lies", o primeiro single divulgado e disparada a melhor do álbum, Farrell em grande forma e talvez uma das melhores músicas da carreira do Jane's Addiction. Nessas horas é que Dave Navarro mostra ser o grande guitarrista que é.

"Curiosity Kills" é uma faixa que vai te fazer lembrar de U2 automaticamente, tanto pelo baixo no inicio, como pelos efeitos na guitarra bem característicos do The Edge. Ela e principalmente daqui por diante temos faixas mais viajantes e alternativas, o caminho traçado no álbum. E pra quem curtiu bem mais "Strays", pode se decepcionar.

Como por exemplo a radiofônica "I'll Hit You Back", a mais agitada "Ultimate Reason" com efeitos eletrônicos, a "balada" estilo Jane's Addiction "Splash a Little Water On It", e a bela "Broken People". O encerramento cabe a "Words Right Out Of My Mouth", como se fosse uma "saideira" de todo lado alternativo do álbum.

Bem produzido por Rich Costley, Perry Farrell prova aqui ser um dos melhores vocalistas da atualidade, assim como Dave Navarro que é sempre competente na guitarra. No baixo agora temos o ex-Guns N Roses, Duff McKagan.

Pra quem espera um trabalho energético como foi o "Strays" de "True Nature" e "Just Because", pode ir tirando o cavalinho da precipitação pluviométrica (chuva). Aqui temos um Jane's Addiction bem mais "viajante" e denso, talvez a cara dos trabalhos solos de Perry Farrell. Ele aliás que disse que o álbum é uma mistura esquisita influenciada principalmente por Radiohead e Muse, e pra mim o definiu muito bem. Entretanto deixo claro que por esse caminho adotado, o disco não deixa de ser menos ótimo. Vale a pena escutar, principalmente se você aprecia um som mais calcado no alternativo.

Tracklist:

1. "Underground" 3:07
2. "End to the Lies" 3:31
3. "Curiosity Kills" 4:29
4. "Irresistible Force (Met the Immovable Object)" 4:00
5. "I'll Hit You Back" 3:48
6. "Twisted Tales" 4:29
7. "Ultimate Reason" 3:49
8. "Splash a Little Water on It" 5:13
9. "Broken People" 3:39
10. "Words Right Out of My Mouth" 3:49

Belo Monte: O protesto de Rafinha Bastos

Depois daquele vídeo do Movimento Gota D'água, em que dezenas de artistas globais protestaram abertamente sobre a construção da hidrelétrica de Belo Monte no Pará, com "nenhum tipo de interesse excuso" - porque SÓ agora?. Agora é a vez de Rafinha Bastos botar a boca no trombone. Acompanhe:


Ironia WINS!

Tirinhas da Semana #63

Por causa do dia cheio e divertido de ontem, o que era pra ser na sexta, é postado no sábado; mais uma vez.

Clique para ampliar.